Livro em papel ou e-book?

A discussão sobre o que pode ser melhor, livro de papel ou e-book, pode transcorrer por muitos caminhos e as preferências podem ser as mais variadas, podendo inclusive depender de uma situação específica. Muitas pessoas gostam do livro de papel e não abrem mão de que sejam assim. O prazer de virar a página, o cheiro do livro, os marcadores de página customizados e o toque fazem parte da experiência tanto quanto a história contada. Mas em certas ocasiões o livro físico pode ser deixado de lado, até mesmo pelos mais adeptos ao modelo manuscrito, como por exemplo: na leitura de livros grandes e pesados durante viagens. (Sempre deixei pra ler os livros grandes em casa e no caminho do trabalho lia os menores)

Apesar da preferência estar relacionada a experiência que cada um procura num livro, existe um fator decisivo pra mim: O preço! Os e-books são bem mais baratos que os livros físicos, variando em torno de 30% e em alguns casos passam de 50%, alguns clássicos da literatura são distribuídos gratuitamente no formato digital (deixo alguns links no final do post) e o e-reader, aparelho usado para ler esses e-books, pode trazer benefícios como: dicionário em diversas línguas, iluminação, marcadores, contador de percentual lido e outros. Outra grande vantagem dos livros digitais é que não ocupa espaço físico! (Eu também acho as estantes de livros uma visão que conforta e aconchega, mas só até o dia em que preciso tirar a poeira dos livros e reorganizar a estante)

Imagem retirada do site: http://4.bp.blogspot.com/

Certo.. ai você deve ter pensado: O e-book é fantástico! É a melhor opção, até mesmo financeiramente! Então.. calma aí.. o valor dos livros digitais são mais baratos sim, mas o e-reader pode custar de R$250,00 a R$1.000,00 dependendo do modelo, marca, características e loja pesquisada. Inicialmente, a versão digital pode custar muito mais, mas a médio e longo prazo o e-book irá ganhar dos livros em papel, pelo menos no que tange a valor desprendido. Isso se você for um leitor persistente, um leitor inveterado, faminto por conhecimento, sagaz no quesito leitura.. (Ok! exagerei um pouco!)

É legal poder ter a opção de ler um e-book, mas para ler livros técnicos pode ser melhor os de papel. Algumas pessoas vão adorar o e-reader e outras vão simplesmente dizer que não é a mesma coisa do livro, mas é bom entender que as experiências são diferentes e que uma não anula a outra.

Boa leitura! Seja lá qual for a sua escolha.. leia! 
(Mas não esquece de pesquisar e comprar o mais barato)

Link para o meu perfil na rede social skoob: (Caso esteja curioso para saber o que eu leio)
https://www.skoob.com.br/usuario/357305-felipe-sampaio

Link para o acervo da biblioteca nacional:
http://bndigital.bn.br/acervodigital/

Link para o acervo do domínio público:
http://www.dominiopublico.gov.br/


O aplicativo Google Opinion Rewards

Que tal ganhar um dinheirinho para gastar na loja da Google? Sim, existe uma forma de ganhar dinheiro para ser usado na compra de artigos pagos no Google Play. As opções são as mais diversas: jogos e outros aplicativos pagos, itens vendidos dentro do próprio jogo, e-books, filmes e músicas.

Com o Google Opinion Rewards, um aplicativo da Google para realizar pesquisas sobre os mais variados assuntos, o usuário receberá formulários de pesquisa baseado em suas experiências, como por exemplo: compras de artigo na internet, registro de viagens, sites que o usuário costuma acompanhar, entre outros. Ao responder a esses formulários, o usuário se responsabiliza em dizer a verdade e a não utilizar um meio ilícito para monetizar através do aplicativo. (Embora só dê pra gastar o valor ganho na loja da Google e isso possa diminuir o interesse de muitas pessoas)



Imagem retirada do site: http://cdn.makeuseof.com/

Os formulários são enviados pelo próprio aplicativo e não há um dia ou hora certa para que um formulário seja apresentado ao usuário. A remuneração também é variada e confesso com não sei como funciona o cálculo dela, mas é sempre um valor baixo. (A maior que tive foi de R$1,29) Vale se atentar para o fato de que os créditos expiram depois de um ano após a data em que foram adicionados à conta.

Existem muitas crenças associadas a como receber mais pesquisas, como por exemplo: manter o GPS ativo. Nesse caso em específico é verdade. A Google utiliza um tipo de pesquisa no qual pergunta se o usuário esteve em um determinado lugar, baseando-se na geolocalização. Ela usa as respostas para atualizar as informações de mapas e verificar a honestidade do entrevistado.

Talvez seja complicado acumular um determinado valor pensando num item específico da loja, principalmente pelo fato de não haver controle sobre a quantidade de pesquisas recebidas nem sobre o valor ganho em cada uma. Ainda assim, existem muitos artigos interessantes e relativamente baratos, o que pode proporcionar uma compra que talvez nunca fosse realizada com dinheiro "verdadeiro".

Vale a pena baixar o aplicativo, porque dinheiro nunca é demais!

Segue o link para o aplicativo no Google Play:
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.google.android.apps.paidtasks&hl=pt_BR

Segue um link para tirar dúvidas comuns:

Livro: A árvore que dava dinheiro


Imagem retirada do site: 
www.skoob.com.br/ 


Minha indicação:   Todos os públicos
Minha avaliação:       

Sinopse:
   Quem disse que dinheiro não cresce em árvores? Os habitantes de Felicidade herdaram de um velho sovina uma semente mágica. Nasceu uma árvore de onde as notas brotavam em grande quantidade! A euforia foi geral! Já pensou? Enriquecer de repente, depois de uma colheita rápida e milionária?! Ninguém ia querer perder uma oportunidade dessa. Será mesmo?
 Um açougueiro que só come peixe, uma velha empregada doméstica e um mendigo sempre bêbado têm outra opinião... Venha descobrir por quê.
  Muitas surpresas esperam por você nessa cidade incrível, onde o dinheiro não trouxe a felicidade.


Outra informação:  Esse não é um livro técnico!
O livro "A árvore que dava dinheiro", escrito por Domingos Pellegrini, apresenta uma novela muito interessante. Ele consegue transcorrer por valores inestimáveis e transcrever a reação e a transformação das pessoas quando se deparam com a possibilidade de mudar suas vidas para um patamar que acreditam ser o ideal. Também mostra a garra e a força do povo trabalhador que não se entrega diante do fardo pesado de cada dia.

Responsabilidade com o dinheiro, ambição sem limites, consumismo desenfreado e mudança de personalidade são pontos evidentes dessa trama. O mais legal são os conceitos que estão explícitos durante a leitura e principalmente como eles ocorreram, como por exemplo a inflação nos preços das mercadorias da cidade e o escambo por necessidade.

Há quem não se deslumbre pelo dinheiro fácil e mantenha sua vida no mesmo ritmo porque já encontrou o caminho que traz a felicidade. E esse, infelizmente, é somente um caso diante de muitos que deixam seus princípios de lado em busca de um ganho fácil.

Ter muito dinheiro fez com que muitos esquecessem da pobreza, mas fez principalmente com que pessoas tomassem atitudes que anteriormente não tomariam. Nessa leitura fica evidente que dinheiro nem sempre traz felicidade, pelo contrário, pode levar a irresponsabilidade e a uma miséria maior do que a inicial. Por outro lado, esse mesmo dinheiro pode gerar experiências e oportunidades como nunca se vivenciou.

Leitura recomendada!



Brincando de bolsa de valores no BM&FBovespa

Frases como: "Ações são complicadas de investir", "Conheço um Fulano que vive de ações na bolsa", "Ciclano perdeu tudo nesse negócio de ações!", "As ações da empresa C que estão boas para comprar", "Ih, caiu muito, ficou baratinha, se fosse você eu comprava!" e muitas outras são muito comuns quando o assunto é bolsa de valores. O fato é que ações podem ser desmistificadas quanto ao mito de que só se ganha com sorte ou de que uma fórmula mágica existe para investir e sair vitorioso.

Quer uma boa forma de fazer um teste gratuito, sem nenhum risco e verificar como você se sairia investindo em ações? É só aderir ao jogo da bolsa de valores criado em uma parceria entre a Folha e a Bolsa de Valores de SP, um simulador de compra e venda de ações com todos os mecanismos existentes no processo real. Ainda há premiações, embora seja complicado competir com os caras de mercado que jogam para obter auto promoção. (O link para o game está no final do post)


O registro no jogo é bem rápido. No começo, uma carteira de investimentos é definida com base na composição do índice Bovespa e um valor em dinheiro (Dinheiro virtual!) é colocado na conta do jogo. Assim como na vida real, são cobrados impostos, custódia e emolumentos, tudo para deixar o simulador ainda mais afiado e proporcionar uma experiência muito próxima da realidade dos investimentos em ações.

Minha dica é zerar a carteira, vendendo tudo a qualquer preço logo no início. Calma! Vou explicar.. Como o jogo inicia com uma carteira pré-definida, ficaria mais próximo da realidade se o jogador abdicasse de possíveis premiações e montasse uma carteira própria, usando somente o valor que usaria na vida real, mesmo que no jogo o valor seja muito maior. Assim o investidor inexperiente poderá simular investimentos semanais, mensais, operações de day trade ou manter as ações no estilo "buy and hold" e ver no que vai dar. É uma boa oportunidade para conhecer mais sobre as empresas e ganhar conhecimento no assunto, sem contar na simulação que pode evitar muitas frustrações.

O jogo tem seu início no começo do ano e a apuração dos vencedores no final do mesmo ano. Mas para quem só tem interesse em obter conhecimento e não pensa em competir, então qualquer período serve para realização de testes. Até mesmo investidores mais experientes irão achar interessante a possibilidade de testar seus métodos e doutrinas para apurar resultados.

Vai lá e simule! Afinal, não custa nada!

Segue o link para o Simulador:
http://folhainvest.folha.uol.com.br/

Segue um link para cursos na própria Bolsa de valores:
Cursos pagos e gratuitos: https://educacional.bmfbovespa.com.br/cursosonline

A crença cara do $1 dólar na carteira

Muitas pessoas possuem crenças com relação a ganhar dinheiro. Uma dessas crenças é seguida à risca pelo meu pai: a famosa nota de um dólar que nunca deve sair da carteira. Não sei ao certo como ela deveria funcionar e embora muitos digam que ela sirva como um ímã para chamar dinheiro, em muitos casos não funciona muito bem ou simplesmente não funciona.

O meu pai sempre andou com uma nota dessas na carteira, se gabando de ter uma nota de dólar e que aquilo iria deixá-lo sempre com dinheiro. Recentemente descobri que ele está aderindo a moda da moeda também, só que ao invés de centavos de dólar ele decidiu apostar na moeda de 500 pesos chilenos, que por sinal se parece muito com a nossa moeda de R$1,00. (Como ele arranjou essa moeda.. Não sei!) Não sei se a nota está se tornando insuficiente ou se o meu pai é quem precisa de mais talismãs, mas se a velha máxima: 'dinheiro atrai dinheiro', realmente funcionar, então faz todo sentido ter uma nota de dólar por todo lugar e maximizar a sorte!



Imagem retirada do site: http://www.publicdomainpictures.net/

A nota de dólar sempre foi a moeda mais escolhida por supersticiosos por possuir uma grande quantidade de símbolos, por suas coincidências com o número 13, por causa do simbolismo da sua cor esverdeada e por causa de frases subliminares que muitos acreditam estar demonstrando força e poder. Mas talvez o dólar esteja um pouco caro para manter na carteira e aderir a novas moedas não custa nada né. Aliás, custa sim, principalmente em casos em que a nota vale muito mais que a moeda brasileira.

Se você, assim como eu, está achando o dólar caro pra servir de simpatia, não se preocupe! Existem muitas outras por aí, como a simpatia das sementes de romã por exemplo, em que o custo pode ser menor, já o benefício, não sei dizer. Ou então pode inovar um pouco e fazer igual ao meu pai e procurar a sorte em moedas mais baratas. Sabe como é.. a crise e a inflação exigem criatividade.

Depois de tanto pensar, acho que vou ficar com a folha de louro.. Na pior das hipóteses, faço um chá!


Jogo de tabuleiro.. Administrando o seu dinheiro!

Jogos de tabuleiro podem ser um passatempo legal e um divertimento sem igual entre as diversas formas de diversão, mas atualmente as mais físicas, ou menos virtuais, estão fora de moda. A tecnologia tem tomado conta de grande parte das nossas horas livres e a motivação para atividades que não estejam ligadas a um dispositivo eletrônico tem sumido a cada geração.

Na contramão do mundo, resolvemos tirar um fim de semana de diversão com jogos de tabuleiro. Separamos o jogo: Administrando o seu dinheiro. Um jogo barato (Por volta de R$50,00) e que não imaginávamos que proporcionaria tamanha diversão! O jogo é bem simples: joga dado, anda com personagem, descobre se recebe ou se paga e ocasionalmente acaba rindo de situações pouco prováveis!

Imagem retirada do site: http://mlb-d1-p.mlstatic.com/

No nosso caso, rimos muito! É, gargalhamos de faltar o ar! Certo, eu vou contar.. Tem uma parte no jogo que separa a decisão de continuar tentando ganhar mais alguma coisa da decisão de finalizar a partida caminhando para a opção que leva ao fim do tabuleiro. Só tem uma forma de obrigar o jogador a continuar no jogo e é caindo na casa que divide esses dois caminhos. Caiu nela!? Tem que dar outra volta!

É muito fácil cair na gargalhada quando um dos jogadores cai nessa casa pela segunda vez seguida, principalmente quando este queria acabar logo o jogo porque está perdendo e devendo até as calças. Mais fácil ainda é quando ele cai 4 vezes! Sim.. 4! Por um momento pensei que iria dormir e me deparar com um jogador zumbi pela manhã, com um dado na mão e tentando sair do jogo, tipo no filme Jumanji! (Tirando o zumbi é claro, embora a categoria zumbi ainda esteja na moda)

Começamos com $22,00 (Moeda do jogo) e a chance de terminar devendo a Deus e ao mundo é bem próxima dos 100%. (Nesse jogo só eu saí com dinheiro! Pura sorte!) Diria até que esse jogo reflete bem a realidade a qual vivemos, nascemos pobres e terminamos devendo, mas na retrospectiva final o que temos são boas gargalhadas!

Segue link para o trailer do filme Jumanji:
https://www.youtube.com/watch?v=g84GqNCxRVg

Segue link para compra do jogo nas lojas americanas: (Mas se for comprar, pesquise!)
http://www.americanas.com.br/produto/7967361/administrando-o-seu-dinheiro-pais-e-filhos


Quem é a vítima? Sou eu.. Eu juro!

Quem nunca foi assaltado? E quem nunca ouviu frases como: "Ih, deu mole!", "Mas também, falando no telefone na rua", "Com um relógio desses, tava pedindo!", "Cordão!? Queria ser assaltado né?", "Todo dia alguém é assalto nessa rua, não pode dar bobeira nela" e muitas outras, logo depois que contou para alguém que foi roubado. Pois essa é a típica inversão de valores na qual o cidadão trabalhador se torna o culpado pela moléstia e o meliante sai como se fosse a vítima. (No final do post dou algumas dicas para minimizar a violência sofrida)

Se você não é do Rio de Janeiro, saiba que as chances de ser assaltado são maiores que a de ganhar na mega-sena. (Certo.. talvez quase tudo nesse mundo tenha chances maiores que a mega-sena) Aliás, se a mega-sena proporcionasse as mesmas chances de ser assaltado, estaríamos lidando com apostadores compulsivos e não com assaltantes pelas ruas. Mas se você ainda não foi assaltado, acredite, está fugindo da estatística por uma tangente muito tênue e a única forma de continuar assim é saindo do Estado. (Isso para os assaltantes do RJ, não estou contando com os de outros Estados, muito menos com o Governo.. se não, só saindo do país!)


O fato é que andamos na contra-mão o tempo todo e ser assaltante poderia ser considerado profissão! Porque não!? E no final das contas, meliante sou eu que estudei e estudo, que trabalho, que pago impostos para ter direito a segurança mesmo sabendo que o único dia que verei policiais bem armados na rua será no 7 de setembro, no dia da Independência. E se seguirmos o mesmo pensamento inicial no qual o "culpado" parece estar ostentando enquanto a "vítima" deve ser protegida pelos direitos humanos, ainda veremos o assaltante dar queixa à polícia e o cidadão ser preso.

Sinto que a situação tende a piorar e os que são de bem deverão permanecer em prisão domiciliar ou arriscar suas vidas em verdadeiras aventuras. Melhor mesmo é deixar essa guerra pra quem pode guerrear, se esconder e não esquecer jamais de deixar pelo menos os R$20,00 do ladrão no bolso para o caso de você ser sorteado no momento em que estiver em uma aventura pela cidade. (Talvez esses R$20,00 não sejam suficientes. Sabe como é.. inflação!)

E é isso.. Rio de Janeiro.. Sol e praia! Cidade maravilhosa! Onde vivo e também onde padeço!

E só pra deixar bem claro: A VÍTIMA SOU EU! EU JURO!
Dicas

1 - Ande somente com um documento com foto (RG ou Carteira de motorista)
Assim não fica sem documentos e é mais fácil tirar um só do que todos.


2 - Se tiver cartões: coloque em um porta cartões separado da carteira de dinheiro
(Cartão do Banco, Vale transporte e Refeição) - O Bilhete Único dá trabalho para tirar de novo.
Aproveite e coloque o documento também, assim só levarão o dinheiro.

3 - Se tiver sido assaltado, faça o Boletim de Ocorrência e peça para registrar o roubo do documento e do telefone celular.
Assim poderá acionar o seguro do telefone, se tiver, e ainda tirar os documentos gratuitamente ao apresentar o Boletim de Ocorrência, constando o documento roubado.




4 - Não esqueça de cancelar a sua linha e bloquear o aparelho através da operadora.
Com o número Imei do aparelho, que também está na caixinha, poderá bloquear o telefone, invalidando o uso do mesmo. Além disso, se seu aparelho for Android é possível bloquear e restaurar as configurações de fábrica através do Google dispositivos, apagando assim todos os seus documentos, fotos e aplicativos. (Isso se você se conectou na conta Google pelo menos uma vez no seu dispositivo)