Sustentabilidade.. O homem sem dinheiro

Somos fruto de uma dependência visceral do dinheiro. Muitos de nós morrerão sem nada, outros nunca alcançarão seus sonhos mais modestos e alguns poucos terão tanto que não saberão nem o que fazer com ele. O que não muda para os casos de aflição são as perguntas: Quanto eu preciso para viver bem ou até mesmo com certa mordomia? Preciso de muito dinheiro?

Estava vendo algumas boas matérias sobre a sustentabilidade do homem. Não a sustentabilidade que visa a proteção das florestas e dos animais, embora essa também seja importante, mas sim a que visa levar para o ser humano uma dependência cada vez menor em relação ao dinheiro, a sustentabilidade financeira. 
Imagem retirada do site: http://tribunadainternet.com.br/

Imagine uma pessoa que tem 100% das suas despesas cobertas pelo seu trabalho assalariado e que de repente ela é demitida. Se ela não conseguir uma nova ocupação rapidamente, terá que procurar ajuda ou até mesmo sucumbirá a uma condição muito ruim. Mesmo que não tenha a demissão, o sentimento dessa pessoa é de submissão e total dependência. (Essa é a situação da maioria) Mas existem exemplos em que essa dependência é reduzida com um pouco de investimento e dedicação.

Veja esses exemplos:
A pessoa X resolveu investir em captação de energia solar e com isso passou a não pagar mais pela energia que consumia, mas sim a receber pelo excedente que vendia para a distribuidora. Com esse valor excedente, a pessoa X realiza a manutenção das placas de energia solar e não se preocupa mais com as contas de luz. Além disso, o que antes representava uma dependência de 100% do seu trabalho para pagar as contas, agora passou a ser de 90%, fazendo sobrar um dinheiro no final do mês.

A pessoa Y achou que estava gastando muito com hortaliças e que essas não tinham a qualidade que ela queria. Ela passou a plantar suas próprias hortaliças, passou por uns momentos delicados no início para aprender a lidar com alguns problemas, mas em pouco tempo passou a usufruir da horta e com isso reduziu seu gasto com alimentação. Tempos depois, começou a sobrar alguns alimentos que ela resolveu vender esporadicamente. O valor que consegue com a venda dos alimentos é investido na própria plantação, através de adubos, proteção dos alimentos e armazenamento dos mesmos.
São muitos os mecanismos que podem auxiliar na redução dessa dependência do dinheiro e por conseguinte do trabalho. Mas repare que não há mágica! É preciso dedicação, esforço e um investimento inicial.

Imagina só uma pessoa que:
- não paga mais contas de luz porque investiu em captação de energia solar e eólica.
- não compra mais hortaliças e frutas porque investiu num espaço para cuidar da alimentação.
- não paga mais contas de água porque capta da chuva e armazena em tanques, utilizando para regar as hortaliças e frutas, para o uso doméstico e ainda tratando parte dela para beber.

A dependência dela em relação ao dinheiro reduziu consideravelmente. Ainda assim, ela vai precisar de algum dinheiro pra poder pagar tributos, materiais que não produz, plano de saúde, telefone, internet e outros. E para esses casos poderá existir o que chamamos de renda passiva, investimentos que geram uma renda sem que ela precise fazer "nada" por isso, como por exemplo: poupança, tesouro direto, fundos, ações e muitos outros. (É claro que ter conhecimento e sempre buscar aprender é um esforço necessário, mas a renda passiva é o que chamamos de colocar o dinheiro para trabalhar pra você). 

Você sabe o quanto é dependente do dinheiro? E vai fazer o que?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Me diga o que achou.. comente!