Comprando na baixa e vendendo na alta?

A grande saga da maioria dos investidores de renda variável é tentar descobrir o fundo para poder comprar e o topo para poder vender. Uma das perguntas mais pensadas e mais discutidas é: Será que está na hora de vender/comprar? Ela é respondida várias vezes, em momentos diferentes e por diversos especialistas, mas para surpresa da maioria (Hamram.. estou surpreso sim.. só que não!)  a resposta é a sempre mesma.

Não tende adivinhar o topo/fundo! Você não vai acertar, vai ficar chateado e vai fatalmente inverter os momentos de compra e venda, fazendo com que você perca dinheiro.

Ok. Mas aí a pergunta que fica é como sei se devo comprar ou vender?

Quando estamos montando uma carteira, seja de Ações ou de FIIs (Fundos Imobiliários), a grande máxima é analisar os fundamentos da empresa ou do fundo e buscar saber se esses fundamentos se adequam ao seu objetivo. Por exemplo: Um cara espera aumentar o seu patrimônio com FII, ele não está interessado em viver de renda, então ele busca por ativos que estão desvalorizados e que possuem potencial de valorização no prazo que ele acredita ser o ideal. Um outro cara busca por FIIs e Ações que paguem constantemente dividendos/aluguéis para que ele possa gerar uma renda extra e quem sabe começar a viver de renda num futuro próximo.


Imagem retirada do site: http://coroataonlinema.com

Ok. Mas isso ainda não responde a pergunta se devo comprar ou vender. Pois bem, se você já tem uma carteira montada é porque acredita nos ativos que comprou e esses atendem aos seus objetivos (É preciso acompanhar os ativos porque eles podem mudar e podem não cumprir mais com o papel que cumpria quando você analisou ou comprou ele). 

Então, vamos pensar:
- Se estão mais baratos que o preço médio que você estabeleceu comprando, então acredite, está na promoção.
- Se estão abaixo do preço justo, também está na promoção.
- Se está mais caro que o preço justo do ativo ou que o preço médio que comprou, então está caro pra você. (O que não significa que não deve comprar, mas pode ser o momento de outro ativo que pode estar "barato")

Sacou a linha de raciocínio? É tipo ir às compras.. o tomate está caro ou está barato? Depende de por quanto você já comprou ou já viu à venda. E mesmo que esteja barato é preciso avaliar o tomate, afinal das contas ninguém quer comprar um tomate podre, mesmo que esteja pela metade do preço! E caso esteja caro, você tem a opção de levar outra fruta que talvez esteja mais barata ou em melhores condições. O fato é: sempre invista com regularidade, assim como faz compras, mas procure levar o melhor pra você.

Lembre-se sempre: Você é o único responsável pelos seus investimentos. Então, estude, procure saber mais sobre o que está comprando, seja consciente e diversifique para não ter problemas graves e não confie a sua responsabilidade a ninguém. Só você sabe o que é bom pra si e até qual ponto se permite arriscar.

Bons investimentos!


Fundos Imobiliários.. uma saída para a baixa dos juros?

Foi depois da baixa dos juros que os investimentos em renda fixa se tornaram penosos e uma das saídas do investidor para rentabilizar a carteira foi transferir sua atenção para a renda variável. Alguns foram para as ações, outros para os FIIs (Fundos de Investimento Imobiliário), tem quem invista em outros países e muitas outras opções ainda devem estar sendo avaliadas e recebendo uma parcela dessa atenção.

Mas os FIIs fazem parte dessa saída?
O setor imobiliário não está sofrendo muito após a crise?
Vale a pena colocar meu suado dinheirinho nesse tipo de investimento?

Se pensarmos que para ganhar mais nesse momento de baixa é preciso "arriscar" mais, então sim, a renda variável é a saída. Mas junto com a vontade de rentabilizar mais está a vontade de não arriscar e é por isso que muitos preferem manter os investimentos em posições mais seguras. Pois bem, os FIIs fazem parte de uma alternativa para os investidores que possuem aversão ao risco e na minha opinião os fundos imobiliários se tornaram um passo entre a renda fixa e os investimentos mais arriscados, um passo quase obrigatório.

Imagem retirada do site: http://checkinvest.com.br/


Os FIIs possuem vantagens e desvantagens como qualquer investimento, como por exemplo:

Algumas vantagens:
- Baixa volatilidade no preço das cotas;
- Imposto de renda 0 para o valor dos aluguéis recebidos mensalmente.
(Os fundos são obrigados a distribuir no mínimo 95% dos rendimentos)

Algumas desvantagens:
- Imposto de renda de 20% sobre o lucro da venda de cotas;
- Risco de liquidez baixa, já que esse é um mundo muito novo e possui um número de investidores ainda pequeno, mas em constante crescimento.

Vantagem ou desvantagem:
- Renda mínima garantida (RMG) - esse ponto é bem pessoal e entendo como desvantagem. Digo isso porque muitos gostam da renda mínima garantida, que nada mais é que uma forma dos fundos atraírem investimentos. Mas na minha opinião, ela pode trazer uma falsa rentabilidade e quando essa renda acabar (porque ela tem tempo limitado), muitos vão ser surpreendidos. Felizmente, os novos fundos não estão aderindo a esse mecanismo.

Vale estudar cada fundo porque cada um investe num determinado segmento e isso por si só já faz uma boa diferença na relação com o risco que o investidor procura (Embora muitos estejam mais preocupados com o percentual de retorno mensal do que propriamente com o risco oferecido pelo FII escolhido).

Alguns bons sites para estudar os fundos:
Você pode montar sua carteira, acompanhar os fundos, discutir no fórum, ver documentos, ... (Ele é bem completo, mesmo para o pacote gratuito)

Também possui muita informação, segue o estilo do clubeFii

Esse tem um mapa com os ativos de cada fundo sinalizados. (Isso é muito legal!)

Canal do professor Arthur Vieira de Moraes que também apresenta o InfoMoney TV

Viva de Renda com Fundos Imobiliários - Leandro Manoel
(Ativista que traz informações sobre os fundos e vai nos prédios e shoppings) Muito bom!


Lembre-se sempre, você é o único responsável pelos seus investimentos, então avalie e busque filtrar o que é bom e ruim pra você!

Bons investimentos!


NUbank.. o roxinho que te deixa com verdinhas!

Depois de muito tempo decidi aderir ao cartão de crédito roxinho da NUbank. Sempre comprei à vista por causa de diversas razões: não gerar dívida, ter um maior controle sobre os meus gastos, não gerar gastos certos quando o objetivo são receitas consistentes, porque não consigo ficar tranquilo se sei que tenho algo à pagar, entre muitas outras razões.

Mas se posso me organizar para pagamentos à vista, também posso me organizar para pagar com o crédito e usá-lo de forma consciente. Digo isso, porque à diversas formas de se ganhar dinheiro e uma delas é simplesmente estar com ele sobre sua posse. É verdade! Por exemplo: se você decidir deixar o seu dinheiro parado na conta corrente, (Se seu banco remunera para valores que estão na conta corrente - alguns bancos não remuneram e vale verificar antes) ele irá render um pouco com base em investimentos automáticos que o banco irá realizar pra você (Normalmente os bancos investem em CDBs - Crédito de Depósito Bancário, mas o NUbank através de sua NUconta, investe no Tesouro Direto). 

Visualize a seguinte situação: Se você ao invés de gastar um valor à vista, gastar o crédito deixando para pagar aquele valor no mês seguinte, conseguirá manter um valor maior na sua conta e  esse valor irá render e gerar mais recursos pra você. Quando chegar a hora de pagar a conta do cartão, basta usar o valor que você já deixou separado, assim usará um dinheiro que teria usado para o pagamento à vista com a vantagem de ficar com um pouco mais na conta devido ao rendimento que ele te proporcionou. (Minha dica é: gaste no cartão de crédito somente o valor que você tem para pagar à vista e reserve esse valor na conta para o pagamento da fatura total, não mexa nele!)

Imagem retirada do site: http://www.simi.org.br

Mas esse não é o único benefício do uso do cartão de crédito de forma consciente, além disso há os benefícios oferecidos pelo próprio cartão:
  • Cartão sem anuidade;
  • Programa de fidelidade (Rewards);
Esse programa cobra uma taxa e só quem possui altos gastos consegue se beneficiar dele.
  • Controle em tempo real através do aplicativo:
    • bloqueio/desbloqueio do cartão;
    • ajuste de limite de crédito;
    • pagamento parcial ou total da fatura.
Para se beneficiar mesmo, melhor sempre pagar o total da fatura.

Apesar de todos os benefícios, sempre existem as armadilhas e para não cair nelas é preciso muita atenção e organização. Acredite, você não ficou rico por causa do cartão, ele só gerou uma facilidade que deve ser usada com inteligência para que você fique tranquilo e não preocupado. Alguns pontos muito relevantes são:
  • NUNCA use mais do que pode pagar à vista!
  • NUNCA pague o mínimo da fatura, os juros serão cruéis e levaram você à loucura e à falência!
  • DEFINA o valor máximo a ser gasto no cartão, assim fica mais fácil de manter as contas em dia.
  • ACOMPANHE seus gastos regularmente. (O aplicativo te dá o resultado em tempo real)
Antes de sair às compras: faça e siga um planejamento que te permitirá ficar mais tranquilo com seus gastos como também gerar mais riqueza. Lembre-se que você é dono de si e responsável pelas suas decisões, então reflita bem e estude antes de tomá-las.

Bons investimentos!