#12 Resumo do mês (JUNHO)

30 / JUNHO / 2019 - Resumo do mês (JUNHO)


Durante o mês fiz 1 movimentação de recurso da poupança para o NuBank. Mas como essa movimentação já tinha sido contabilizada no mês passado, acabou não havendo alteração no valor da poupança, exceto pelos juros que geraram um acréscimo na mesma. Além disso, como não teve nenhuma sinalização de subscrição até a metade do mês, resolvi transferir os rendimentos dos FIIs para o NuBank, até que a subscrição esteja habilitada.

Logo depois de colocar os rendimentos dos FIIs no NuBank apareceu a subscrição, então resolvi utilizar o valor que possuía para investir nesse mês junto com os rendimentos do FIIs para realizar essa subscrição. Com isso, não precisei mexer na reserva de oportunidade.

Provavelmente precisarei retirar um valor da reserva de oportunidade para aportar em futuras subscrições. Aí sim, estarei começando a fazer o certo, investindo em oportunidades sem mexer na reserva de emergência.

-- Atualizando as metas --


Metas da reserva de emergência:
1 - 90% do valor de 12 salários líquidos e benefícios no Tesouro Selic ou opção equivalente.


Metas dos FIIs:
1 - Alcançar um recebimento de proventos que seja 10% maior que o salário.

Resultados:
- Reserva de emergência
POUPANÇA
Atualmente na Poupança
38,26%
TESOURO SELIC
Atualmente no Tesouro
0,14% concluído
NuConta
Atualmente no NuBank
10,93% concluído


- Fundos Imobiliários
FUNDOS IMOBILIÁRIOS
Proventos X Salário *
19,56% do salário **
* Como FII é renda variável, a tendência é que esse valor oscile. Assim, o progresso não é linear.
** O objetivo são 110%

Metas concluídas:
1 - Criação do fundo de oportunidade



#11 Resumo do mês (MAIO)

31 / MAIO / 2019 - Resumo do mês (MAIO)


Durante o mês fiz 4 movimentações de recursos da poupança para o NuBank. Também houve a subscrição de cotas de 2 FIIs, nas quais foram usados os proventos acumulados do mês de Abril, alguns que caíram na conta antes da data de pagamento das subscrições e uma parte que acrescentei. Quanto ao valor das sobras da subscrição, tive que colocar parte do dinheiro que usaria para realizar investimentos nesse mês.

Parece que outro FII deve emitir novas cotas e com isso devo ter mais uma subscrição pro mês que vem. Além disso, temos as sobras dessas subscrições que podem resultar em mais investimentos nos FIIs que foram subscritos.

A primeira decisão foi a de manter o valor que usaria para investir esse mês com liquidez, assim eu posso realizar essa subscrição / sobras da subscrição sem ter que apertar muito o cinto esse mês.

A segunda decisão foi criar o fundo de oportunidade. Com isso, passei a ter um fundo já concluído, pois peguei o que seria os 10% disponibilizados na NuConta para criar esse fundo. Como encontrei algumas opções de ativos para criação de fundo de emergência, decidi continuar colocando os recursos do fundo de emergência na NuConta até que eu tenha uma posição. Não perco nada com isso, já que os valores da NuConta rendem de acordo com o Tesouro Direto, que era a opção inicial.

-- Atualizando as metas --


Metas da reserva de emergência:
1 - 90% do valor de 12 salários líquidos e benefícios no Tesouro Selic ou opção equivalente.


Metas dos FIIs:
1 - Alcançar um recebimento de proventos que seja 10% maior que o salário.

Resultados:
- Reserva de emergência
POUPANÇA
Atualmente na Poupança
38,12%
TESOURO SELIC
Atualmente no Tesouro
0,16% concluído
NUConta
Atualmente no NuBank
2,62% concluído


- Fundos Imobiliários
FUNDOS IMOBILIÁRIOS
Proventos X Salário *
19,22% do salário **
* Como FII é renda variável, a tendência é que esse valor oscile. Assim, o progresso não é linear.
** O objetivo são 110%

Metas concluídas:
1 - Criação do fundo de oportunidade


#10

28 / MAIO / 2019 - Reserva de oportunidade



Depois de ver alguns especialistas falando sobre a reserva de oportunidade, decidi que deveria entender melhor sobre isso e buscar fazer a minha. Claro que esse ponto foi desencadeado por acontecimentos desse mês, mais especificamente as subscrições dos FIIs e as sobras dessas subscrições.

Se eu tivesse uma reserva para oportunidades, poderia investir nessas subscrições sem ter que fazer contas e mais contas para aproveitar o momento. É fato que dentro de qualquer construção de patrimônio ocorrerão oportunidades, além de momentos em que tudo estará acima do seu valor ideal, proporcionando que invista menos e guarde um pouco para oportunidades melhores.

Entendo que o fundo de oportunidade será acionado em momentos de baixa do mercado e reposto em momentos de alta.

Me parece bem sensato criar esse fundo, na verdade, pelo que pesquisei, acabei fazendo isso sem querer quanto resolvi destinar 10% do fundo de reserva para a NuConta. O fato ruim dessa constatação é que passo a contar somente com a poupança como fundo de reserva quando resolvo transformar esse ponto para o fundo de oportunidade. O ponto positivo é que ele já estaria construído e como estamos num momento de alta, conseguiria manter o mesmo e continuar construindo a minha reserva de emergência.

Com isso, a meta já cumprida e que referendava a reserva de emergência passa a ser a reserva de oportunidade.

1 - 10% do valor de 12 salários líquidos e benefícios no NuBank. (Concluído)

Lembrete: A reserva de oportunidade deve ser de alta liquidez.


#9

20 / MAIO / 2019 - Tendência para atrair clientes

A corretora Órama e a corretora PI resolveram seguir os passos da BTG, que lançou um fundo com taxa zero para o Tesouro Direito, lançando seus próprios fundos de investimentos no tesouro, também com taxa zero.

Depois de muito pensar sobre o que a BTG ganharia com isso, cheguei a conclusão de que é somente um atrativo para angariar clientes e com isso passar a contar com a possibilidade dos mesmos se interessarem por investir em outros produtos da instituição.

Pro investidor, já mostrei que é vantajoso. Pra corretora, me parece uma briga que só beneficia os clientes mesmo, embora possa resultar em algumas novas contas pra essas empresas. Não sei se as outras corretoras seguirão esses passos, mas é mais provável que instituições como a XP não entrem nessa linha. Talvez a Rico passe a aderir ou talvez a Clear, mas é certo que se elas zerarem tudo, não terão do que viver.

O único inconveniente que vejo nessa história é de precisar abrir uma conta em outra corretora só pra poder me beneficiar de um produto. Isso se torna contra produtivo porque acabo tendo que controlar mais coisas, em mais lugares. A concentração dos investimentos seria bem mais acolhedor, mas nem sempre se tem o melhor preço no mesmo lugar.

#8


11 / MAIO / 2019 - Tesouro Direto X Fundo de Investimento Tesouro Selic

O banco BTG Pactual lançou um fundo de investimento que possuía a taxa de administração de 0,1% a.a e agora esse mesmo fundo passou a não ter mais essa taxa.

O que acontece é: investindo no fundo de investimento do BTG, o investidor não terá mais taxas, somente o come cotas que ocorre por conta do imposto de renda. Enquanto o mesmo investimento sendo feito no Tesouro Direto tem a taxa de 0,25% de custódia da B3. Parece ser realmente uma boa vantagem não ter mais que pagar essa taxa. Mas esse come cotas aí?

Come cotas é uma antecipação da cobrança do imposto de renda que ocorre de seis em seis meses. O percentual do imposto pode variar entre os fundos de investimento, pois a base de cálculo é o tempo de vida do fundo.
Se o fundo for de curto prazo, paga-se:
·         22,5% até o dia 180
·         20% para qualquer dia superior ao 180.
            Se o fundo for de longo prazo, paga-se:
·         22,5% até o dia 180
·         20% do 181 ao dia 360.
·         17,5% do 361 ao dia 720.
·         15% para qualquer dia superior ao 720.

O valor comido de seis em seis meses sempre corresponde à menor alíquota para cada tipo de fundo. Caso o valor seja resgatado antes de atingir a alíquota mínima: será cobrado desse valor a alíquota referente a quantidade de dias que o mesmo permaneceu investido menos o imposto já cobrado. Por exemplo: Um fundo de longo prazo no qual foi resgatado um valor em menos de 1 ano.. já teve o come-cotas com 15% e precisa ser cobrada a diferença que corresponde aos 20% da taxa do período menos os 15% já retirados, ou seja, cobram 5% em cima do valor dessa retirada.

Os fundos que estão sujeitos ao come-cotas são os fundos: cambiais, de renda fixa e os de multimercado. Os fundos que não sofrem desse mal: fundos de ações, previdência privada, fundos de investimento imobiliário e fundos de debêntures incentivadas.

Com taxa 0% de administração, não tem como dizer que não vale a pena investir nesse fundo, mas vale ver os detalhes como liquidez e tentar responder a linha de pensamento que não tenho resposta: Como o BTG ganha dinheiro com um fundo desses? Será só marketing para angariar clientes que podem investir em outros produtos e esses sim possuírem taxas?


#7 Resumo do mês (ABRIL)

30 / ABRIL / 2019 - Resumo do mês (ABRIL)

Durante o mês fiz 2 movimentações de recursos da poupança para o NuBank. Também houve a subscrição de cotas de um FII que consegui cobrir com o valor dos proventos da própria carteira de FIIs.

No final desse mês de abril, tive a notícia de 2 FIIs com subscrição e como não tenho dinheiro suficiente para fazer essas subscrições, estou pensando em retirar da poupança e subscrever ambos. Vale ressaltar que, são ótimas oportunidades para aumentar a carteira de FII a um custo menor do que teria se comprasse a valor de mercado. Tenho com isso um ponto negativo e 2 positivos.

- O negativo é: 
Ocorrerá um atraso na finalização da reserva de emergência por causa da possível retirada para cobrir as subscrições. Ainda assim, estou bem tranquilo com o valor que possuo para emergência.

- Os pontos positivos são:
Com essas oportunidades de subscrição consigo aumentar minha carteira de FIIs o que irá auxiliar na meta dos FIIs que listo abaixo. Além disso, o ocorrido me alertou para o fato de que além da reserva de emergência, que não deveria ser usada nessa situação, devo construir uma pequena reserva de oportunidade e isso deverá ser pensado mais adiante. Assim, não mexeria mais na reserva de emergência para aproveitar possíveis oportunidades de investimento.

-- Atualizando as metas --

Metas da reserva de emergência:
1 - 10% do valor de 12 salários líquidos e benefícios no NuBank.
2 - 90% no Tesouro Selic.

Metas dos FIIs:
1 - Alcançar um recebimento de proventos 10% maior que o salário.

Resultados:
- Reserva de emergência
POUPANÇA
Atualmente na Poupança
54,95%
NUBANK
Atualmente no Nubank
97,23% concluído
TESOURO SELIC
Atualmente no Tesouro
0,16% concluído

- Fundos Imobiliários

FUNDOS IMOBILIÁRIOS
Proventos X Salário *
22,21% do salário
* Como FII é renda variável, a tendência é que esse valor oscile. Assim, o progresso não é linear.

Ponto de reflexão:
Criação da reserva de oportunidade.


#6


16 / ABRIL / 2019 - Simulando no Tesouro Direto

Após fazer as contas para saber quanto o Tesouro Direto (SELIC) consegue entregar de retorno por mês, resolvi fazer uma simulação para saber quanto ele renderia com um depósito de R$ 10 mil.

Pois bem, seria um depósito único e não vou ficar fazendo conta se o próprio Tesouro Direto já disponibiliza uma ferramenta pra isso. Só vou definir a expectativa de juros futuros (SELIC) como sendo 6,5%, assim se aproxima da minha conta e não fico fazendo trabalho de futurologista, já que não faço a mínima ideia se o juros vão cair ou subir, quiçá para quanto.


Gráfico - Imagem do site do Tesouro

Tabela detalhada - Imagem do site do Tesouro


O legal é que os valores batem bem próximos dos cálculos que fiz num post anterior, o que mostra que estava no caminho certo.

Resultado: R$ 10.000,00 no Tesouro Selic vai render R$ 3.537,54 no período de 5 anos e 7 meses aproximadamente. Obter ~35,37% sem realizar nenhum aporte extra, me parece uma boa rentabilidade. Isso daria ~0,5279% de rentabilidade mensal. Essa diferença  entre o que calculei e o resultado da simulação se dá por causa dos juros compostos que me dei ao luxo de não colocar na conta. Seria uma conta de montante que sinceramente não desejo fazer. Além do mais, a calculadora do Tesouro está aí é pra isso mesmo!


#5


15 / ABRIL / 2019 - Poupança X Tesouro Selic

A fala de que a poupança rende menos que o Tesouro é comum na boca de qualquer investidor. Mas quanto mais? Será mesmo que vale a pena sair da comodidade da poupança para colocar o meu dinheiro no Tesouro Direto?

Primeiro temos que entender os fatores que estão em jogo. E são eles: Liquidez, Rentabilidade e Segurança. Elenquei esses fatores porque são os que entendo como essenciais para a aplicação que irá servir de reserva financeira.

- Liquidez
Apesar da liquidez da poupança ser imediata (se você quer tirar o dinheiro de lá, não precisa esperar nadinha. Isso também é chamado de D+0), vale dizer que, se você retirar fora da data de aniversário, irá perder os juros do mês vigente. Ou seja, tem que esperar a data de aniversário para fazer qualquer retirada sem que seja “penalizado” por isso.
Já o Tesouro Selic rende diariamente e não possui data de aniversário. Contudo, para retirar o seu dinheiro de lá, terá que solicitar o resgate e esperar o dia seguinte ao pedido. (O chamado D+1)

1 - Parece que no quesito liquidez a poupança leva uma ligeira vantagem.

- Rentabilidade
A poupança antiga rende um pouco mais que a nova. Como não tenho mais a antiga e também não tenho como investir nela, vou ignorá-la. A nova poupança rende 70% da Selic quando essa mesma taxa está igual ou abaixo de 8,5%. Numa conta rápida de padaria temos:
70% de 6,5% (Taxa Selic atualmente) = X% a.a.
~4,55% a.a - Essa é a rentabilidade da poupança nesse momento.
Isso dá 0,3715% a.m. segundo o Banco Central.

Já o tesouro direto corresponde à taxa Selic deduzida de impostos. E esses Impostos são: IOF, IR, taxa do agente de custódia e a taxa de custódia da B3.
O IOF é cobrado nos primeiros 30 dias, caso algum valor seja retirado. Começa com a cobrança de 96% sobre o lucro no primeiro dia e vai reduzindo até zerar no dia 30. Depois disso, não há mais incidência de IOF.
O IR pode ser de 22,5% a 15%, depende do tempo de aplicação. Além disso, ele é sobre o juros e não sobre o valor aplicado.
O agente de custódia, que no meu caso é uma corretora, não me cobra nada. Mas tem uns que cobram valores fixos ou percentuais.
A B3 cobra 0,25% a.a para custódia dos seus títulos do Tesouro Direto.
(Antes era 0,30%, ela reduziu pra 0,25% nesse ano de 2019)

Com isso, temos:
Retorno TD - IOF - IR - custódia corretora - custódia B3 = Y%a.a
Como calculei a poupança com 1 ano, nada mais justo que calcular também o tesouro com impostos de 1 ano. Como não tenho custódia da corretora, esse valor será sempre 0, assim como o IOF, já que estamos calculando com 1 ano de aplicação.

Retorno TD - IOF - custódia B3 - custódia corretora = Y%a.a
6,5% - 0% -  0,25% - 0% = 6,25% a.a
(IR = 17,5%)
6,25% - (6,25% * 17,5%) = ~5,15625% a.a
~0,4296% a.m.

Uma diferença mensal de ~0,0581% e de ~0,60% a.a.
Não é aquela diferença toda, mas o Tesouro rende mais.

Um bom ponto a ser observado é que o Tesouro busca cobrar a taxa da B3 semestralmente (1º dia útil de janeiro ou 1º dia útil de julho) e a condição para ser feita a cobrança é: a soma das taxas devidas de todos os títulos em carteira ultrapassar R$ 10,00. Isso dentro da mesma conta de agente de custódia. Se tiver cobrança de R$ 5,00 em um agente e outra de R$ 5,00 em outro agente de custódia, então a cobrança é adiada para a próxima data até que alcance o valor mínimo de R$ 10,00 num determinado agente de custódia ou chegue a data de vencimento do título ou ocorra um pagamento de juros ou ainda quando ocorrer a venda antecipada do título, o que acontecer primeiro. Então é sempre bom ter um valor que corresponda a essa taxa na conta da corretora.

            2 - Ponto para o Tesouro Direto no quesito rentabilidade.

- Segurança
A poupança é garantida pela instituição que a controla, no caso, um banco. Se esse banco quebra, fatalmente a poupança será diluída a poeira. Isso porque não tem garantias como no caso de outras aplicações que possuem o FGC - Fundo Garantidor de Crédito.
O Tesouro Direto é garantido pelo Governo. Então, teríamos que ter a quebra do Governo para observarmos um calote no pagamento.
O Risco de Crédito, que é o risco de não ser pago, é muito menor quando se trata de Governo, consequentemente, os investimentos em títulos como CDB, Debêntures, LCI e LCA, podem trazer uma rentabilidade maior, pois o nível de risco dele é maior e pra trazer atratividade é preciso dar um retorno maior para o investidor.
           
            Bem, se o Governo falir, o restante que com certeza não estará de pé. Enquanto um banco falir, embora não seja corriqueiro, me parece mais factível.

            3 - O Tesouro levou essa também.

A conclusão é que o tesouro Direto pode ter suas peculiaridades que dificultam o entendimento do investidor, embora já tenham muitos materiais e informações explicando como funciona, mas ainda assim é uma opção melhor que a poupança. Pelo menos no que tange ao Tesouro Selic. Os demais não fiz as contas até porque são características diferentes que no meu entender não se encaixam para servir de reserva de emergência.


#4


12 / ABRIL / 2019 - Criando uma meta para os fundos imobiliários

“O trabalho dignifica o homem”

Obter renda passiva (renda que não necessita de esforço para ser obtida) que permita manter as contas em dia, fazer uma viagem ou um lazer e até mesmo investir, é uma meta que muitas pessoas possuem. Tem muita gente dizendo que ama o que faz e que não deixaria de trabalhar por nada, mas a questão não é essa. Aliás as questões são:

Quanto de renda passiva você tem mensalmente?
Se você recebesse, passivamente, o suficiente para pagar as suas despesas mensais com folga. Isso poderia resultar em algum ganho na sua vida?

Eu acredito que ter essa renda passiva pode gerar uma tranquilidade que permitiria que eu pudesse não me preocupar mais com a possibilidade de um dia ficar desempregado, por exemplo. (Isso se essa renda chegar a ser igual ao salário) Ou então, não me preocupar mais com a aposentadoria, com algum gasto extra que eu queira fazer por puro desejo ou sei lá mais o que. Afinal, estaria ganhando um valor passivamente, além do meu salário.

Pensando nisso, achei que seria interessante se eu buscasse alcançar essa renda passiva e foi por isso que acabei investindo nos fundos imobiliários. Eles permitem que eu tenha uma renda mensal baseada nos proventos que cada um dos fundos devolve para o cotista mensalmente. Mas até então, não havia estabelecido uma meta e acho que esse é o momento para defini-la.

A meta para os fundos imobiliários vai ser: obter renda passiva que se iguale ao salário líquido mais 10%. Assim, poderei manter o padrão de vida com reajustes mensais, já que estarei recebendo 10% a mais do que o salário. Esses 10% servirão para reinvestir diretamente nos FIIs quando estiver no período de uso dos proventos ou para atualizar a reserva de emergência. Vale ressaltar que os proventos são variáveis e que esses 10% são uma espécie de proteção para possíveis reduções.

Meta:
1 - Alcançar um recebimento de proventos 10% maior que o salário.

OBS: Essa é uma meta grande que só será alcançada no longuíssimo prazo.


#3


11 / ABRIL / 2019 - Remontando a Reserva de Emergência

Eu já estava refletindo sobre remontar a reserva de emergência em outra aplicação que me permita um rendimento melhor, mas que mantenha a segurança e a liquidez que já possuo na poupança. Bem, chegou a hora de dar um primeiro passo. Resolvi transferir um dia de aniversário da poupança para a nova reserva de emergência. E também decidi que vou deixar 10% da reserva no próprio NuBank e o restante vou colocar no tesouro Selic através da corretora.

Fiz o pagamento do boleto gerado no NuBank, da forma como já expliquei antes. Com isso, fiquei com a seguinte configuração:

POUPANÇA
Atualmente na Poupança
58,95%
Antes da retirada
62,32%
NUBANK
Atualmente no Nubank
54,67% concluído
Antes do depósito *
20,95%
TESOURO SELIC
Atualmente no Tesouro
0,16% concluído
Percentual anterior *
0,16%

* Já possuía um valor na conta

Metas:
1 - 10% do valor de 12 salários líquidos e benefícios no NuBank.
2 - 90% no Tesouro Selic.

Esse é um passo fundamental para que eu me sinta mais seguro financeiramente. Ter a reserva na poupança já é um alívio, mas acredito que depois que ela estiver reformulada, terei uma recuperação diante da inflação que não tenho na poupança e ainda irei continuar com um bom tempo de resposta, já que o tesouro Selic é de liquidez diária e resgate em D+1.

O bom do NuBank é que deixando o dinheiro parado lá, terei uma remuneração próxima do que terei investindo no tesouro Selic. E em breve será liberada uma funcionalidade que permite separar um valor que será usado para gastos de um outro valor destinado para reserva, assim não correria o risco de gastar o dinheiro que pretendo guardar como reserva de emergência.